9.8.08

É lindo o entardecer

Hei-de ter desculpa quando chegar a hora
-que passo o dia a preparar a calma do entardecer
-que saio do caminho para não perturbar as formigas; que trabalham e não sabem para quê
-que me escondo para que os pardais façam arraial na comida que lhes dou.

Quando me fizerem as perguntas do fim, hei-de ter desculpa
-que, logo de manhã, espreito o sol e o bendigo e a tudo que vai ter luz
-que tiro o chapéu diante das alminhas da aldeia pintadas na pedra e com flores de plástico à frente
-que olho para o lado para que os namorados sigam o seu caminho e verdade
-que namoro com a verdade toda inteira.

Quando me fecharem os olhos, hei-de ter desculpa
-falei de alto aos abusadores
-bati nos vendilhões dos templos
-nunca me pus de joelhos
-não me ponho de cócoras, cuspo nos hipócritas e outros exploradores.

-A água das fontes é o meu espelho, "mesmo se é noite".

E se, naquela altura, não tiver desculpa, hei-de dizer:
-vossemecê não presta
-tem a ruindade da serpe que, em tempos, pôs no tal Éden.

Está a parecer-me que vou ser respondido assim:
anda cá, rapazinho
há muito tempo que ninguém me fala assim.
Vais-me desculpar.
Eu também gosto do sol, de quem dá passeios nele e sabe Transfigurar-se.

A água das fontes é o meu espelho.

E eu vou dizer:
já sabia!

Talvez Ele diga ainda:
e é lindo o entardecer, não é?

8.8.08

Matisse


Feliz aquele que administra sabiamente
a tristeza e aprende a reparti-la pelos dias
Podem passar os meses e os anos nunca lhe faltará
(...)

(Ruy Belo - do poema A MÃO NO ARADO - O poeta morreu há trinta anos)