8.8.08

Matisse


Feliz aquele que administra sabiamente
a tristeza e aprende a reparti-la pelos dias
Podem passar os meses e os anos nunca lhe faltará
(...)

(Ruy Belo - do poema A MÃO NO ARADO - O poeta morreu há trinta anos)

6 comentários:

Anónimo disse...

recorda bem o Ruy Belo e o recado...
beijos da cidade grande para os da romãzeira
ana assunção

zef disse...

Recado de sábio, Ana.
Beijos daqui, levados pela boa aragem que está a passar.

Lis disse...

E assim também com a alegria. Ficava tão diferente o poema, não era? é certo que se perdia o jogo antitético mas ganhava-se em optismo. Às vezes o poema pode perder para a vida. A palavra perdoa facilmente, nós é que não.

beijinho.

zef disse...

Ficava, ficava, Lis.
E fica. Sabiamente.
Beijos

Sophiamar disse...

Foi há trinta anos que nos deixou! A sua obra, que a tenho completa, faz parte do grupo das grandes do século XX.
Ele partiu mas o recado ficou. Fosse eu capaz de o seguir!
Mas não! Infelizmente!

Bem hajas!

Beijinhos

zef disse...

Sophiamar, também admiro Ruy Belo.
Pela poesia e também pelo que representava, em Portugal, para muita gente, ainda que bastantes possam dizer ainda, como ele, "Nós os vencidos do catolicismo".
Beijos