20.11.09


As palavras vadias
flores gaiatas bonitas
cores saltarelas ao vento
músicas cabelo a voar

os sentidos que trazem
mais os que quisermos dar

benditas sejam.


13 comentários:

Meg disse...

Zef,

Numa tarde assim, assim,
mergulho esquecida de mim
nas tuas palavras vadias

e sonho

Um abraço

Amélia disse...

Sim e sobretudo

«mais os que quisermos dar

benditas sejam»

zef disse...

(Nota e pedido de desculpa a quem já passou aqui: tirei ao texto o título e o amém final: irritaram-me quando voltei cá.)

Obrigado, Amélia e Meg. A vossa vinda e palavras são benditas
:)
Abraços

fernanda s.m. disse...

Está no seu direito, pois a casa é sua...E mesmo assim ficou bonito !
Abraços.

Soledade disse...

Alegre, colorido e "saltarelo", como o vento em certos dias, como as palavras doces e travessas. Poema alegre, meu senhor mano do meio :-)

zef disse...

Fernanda, pelo menos as palavras ficaram mais contidas, parece-me.
Um abraço

zef disse...

Soledade, senhora mana, alegre porque "tem raízes no sol"...
Beijinho

rendadebilros disse...

Ah que alegria de palavras nas cores...
( como estava atrasada nas visitas, li tudo hoje e comentei... ah são três pardais, aumentando a foto, vêem-se ...)
Abraço.

Anónimo disse...

Há uma linha que percorre os seus textos, Zef. Em todo encontro o silêncio.Será assim?


Beijinho,

Lis

zef disse...

Renda, as vindas "por atacado" são também saborosas...

zef disse...

Lis, até que enfim...
Penso que é um bocado como diz. Embora, às vezes, seja um silêncio insatisfeito. Mas, também, se andasse satisfeito, o silêncio, acabava em barulho.
Beijos

Anónimo disse...

O bom filho à casa torna. O povo é sábio. E aqui também me sinto em casa.

Agora, acrescento ao que diz- parece-me que é quase sempre um silêncio insatisfeito. Como um grito mudo. Faltou-me um "s" no todos, no comentário anterior. E o seu a seu dono.
Agora vou ler aquele texto ali em cima.

Lis

zef disse...

Lis, gosto que se sinta em casa.
Já a conhece bem :)
E eu gosto...
Beijinhos