11.9.10


Sento-me à porta do campo
e meço o tamanho do silêncio

14 comentários:

rendadebilros disse...

Não digo nada, que pode quebrar-se o encanto...
o nosso jantar? para quando?
Abraços.

Meg disse...

Zef,

É deste campo e dum silêncio deste tamanho que a minha alma precisa, depois deste últimos meses.
E ler-te é um bálsamo.
Obrigada, meu amigo.

Beijo

tsiwari disse...

Schiuuuuuuuu...

it's all so quiet...



:)

Anónimo disse...

É pequeno...os pássaros quebram-no e só assim lhe damos valor.
Olá!

Lis

zef disse...

Pronto, Renda...
Logo que regresse a esses sítios...
Abraços

zef disse...

Viva, Meg!
Há silêncios apaziguadores, como o outono. Está a chegar.
Beijos

zef disse...

Tsiwari, iiiiisso...

"and so peaceful until..."

zef disse...

Lis, olá.
é sempre possível enquadrar quem compõe os nossos quadros...
(Não encontro seu 7 ou 70...)

« Katyuscia Carvalho » disse...

Poesia em exata medida!

fernanda s.m. disse...

O silêncio que tanto me apetece, últimamente... Posso levá-lo comigo, este seu silêncio, passeando, até à minha estrela-da-madrugada?

Abraço Grande.

Anónimo disse...

Ai quem me dera lembrar-me mais vezes da porta do campo...
Bonito, Zef.
Olá a Pasárgada
ana

zef disse...

Katyuscia, bem aparecida e obrigado.
Já passeei pelos seus sítios e gostei.
E não é bom "guardar sementes num girassol"?

zef disse...

Sim, Fernanda; a sua estrela é de boa companhia. E honra também
Um abraço

zef disse...

Olá, Ana.
Lembranças de Pasárgada, das coisas e pessoas.
Bjs