4.6.12

O menino brincava pertinho do chão
era menino das flores e seguia atento as formigas.

As pessoas crescidas viam e esqueciam por que tinham saído de casa.

Era tudo claro e fresco. A noite ficava mais longe.
Havia também muitas horas para conversar.

O crepúsculo era um rio silencioso a guardar alguns desgostos.

6 comentários:

rendadebilros disse...

Andava eu junto ao Castelo (Torre de Menagem) e recebi um belo telefonema... em voz de romãzeira! Obrigada pelas palavras que aqui deixa e pela lembrança de me/nos falar. Fico sempre muito sensibilizada! Abraço. E boas viagens!!!

fernanda s. monteiro disse...

A recordação de ficar, em criança, sentada, no fresco dos dias quentes, a ver as formigas no seu eterno afã...Só as suas conversas, sãs e fortes de tão simples, me lembrariam agora esse pequeno prazer que é tão importante. Um abraço, Zef.

Anónimo disse...

(assuntos de criança)
E eu à procura de uma palavrinha para uma foto que captei no outro dia. Só soube olhar! Chego aqui e pronto, o Zef disse...Beijos para aí
ana assunção

Rui Antunes disse...

Era quando ao menino pareciam grandes todos os adultos; e as perguntas que fazia não eram menos certas.
O menino de que fala devia trazer Sol nos sapatos, Zef

alecerosana disse...

Deixo um abraço, Zef!

zef disse...

Renda, os amigos estão presentes e precisam de o dizer...
Cheguei há bocado doutra viagem.
Um abraço.

Olá, Fernanda. Obrigado pelas palavras que diz.
Um abraço.

Ó Ananita, quero a fotografia...
Beijos daqui.

Rui, deve ser isso. Mas quem fica sempre a ganhar são os os olhos das crianças...

Alece, mando-lhe um abraço forte, pelo vento...