17.7.13

Conversitas

Chamaste vamos ver as framboesas.

Delicado silêncio dentro do peito,
tão inúteis as palavras.

6 comentários:

Soledade disse...

Assegurar que até a mais subtil novidade do mundo e dos dias quotidianos não se perde na soma do tempo. Celebrar os pequenos ritos -- a romãzeira continua a fazê-lo com uma delicadeza invejável.
Bom dia, amigos de Pasárgada

pereira manuel disse...

Ouçamos as framboesas...

Rui Antunes disse...

E depois há as palavras com framboesas dentro, e sabe bem olhar para elas
Abraço

zef disse...

Olá, Soledade. É bom o exercício da atenção às coisas pequenitas…
Obrigado. Pasárgada espera sempre a gente amiga. Apareça.

Manel, há framboesas à vossa espera.

Se as framboesas alindarem as palavras…
Um abraço, Rui.

alecerosana disse...

Um abraço, para não perturbar o silêncio!

zef disse...

Boa noite, Alece.
Não perturbou nãosenhora :)
Um abraço