8.1.08

Conversitas

- Quem anda à chuva molha-se.
- E quem não anda está seco?
- Conversa mais seca!...

- Queres que vá ver se está a chover lá fora?
- Sim. E os cabelos molhados caem-te bem.

- Está mesmo de chuva!

- Vamos passear?
- E ficamos os dois com os cabelos molhados...

12 comentários:

Anónimo disse...

Adoro estas conversitas. Estimulam a imaginação, já lhes arrumei uma, duas, três possibilidades para ir mais além daqueles três pontinhos. Alguns scripts ternamente "marotos" que acabariam à beira da lareira porque, sei lá, os cabelos molhados até virariam encaracolados e bem giros também :)
(Conversa mais seca!!!)
Boa noite!
ana assunção

zef disse...

Sim, Ana, são muitos e desvairados os poderes da chuva
:-)
Boa noite!

soledade disse...

Hum... Comentário à conversita e resposta à Ana - um script:

Maldita chuva,
dizia há pouco. Mas
acabas de chegar: os pés
enlameados o vestido
num pingo os cabelos
assaltados
pelo vento.
Que bela chuva,
digo agora. O vestido
junto à lareira os pés
na minha cintura
e uns cabelos que vou pentear
a noite inteira.

Casimiro de Brito

Um beijo :)

fernanda s.m. disse...

Uau !! Que conversitas mais molhaditas... Mas é bom sentir a chuva lá fora e nós no agasalho, mesmo que a conversa seja um monólogo, ou ...

bjs.
( oh Zef, para que temos de copiar tanta letra torta? é pior do que ir ao oftalmologista...)

Amélia disse...

Gosto das conversitas do Zef...entre outras razões pelas apontadas pela an+onima Ana...-:)

zef disse...

Soledade, o meu lado de meio monge ficou a recitar:

Louvado seja pela preciosa,
Bondosa água, irmã útil e bela,
Que brota humilde, é casta e se oferece
A todo o que apetece o gosto dela.

Francisco de Assis

Beijos

zef disse...

Fernanda, depois da chuva haja agasalho e Deus seja louvado...

(Na caixa de comentários, aqueles gregotins não fui eu quem os garabulhou...)
Beijos

zef disse...

Obrigado, Amélia, também pelas "outras razões"...
Beijos

rendadebilros disse...

Adorável... Eu gostava muito de andar à chuva... às vezes andava mesmo feita parva ( diziam!) sozinha à chuva... agora "enfiamos" uns casacos com capuz e a chuva só nos molha a cara... andarem dois à chuva de mão dada ainda é mais parvo ( como as cartas de amor ridículas!) e muito mais bonito...
É sempre uma surpresa que encontramos aqui junto à romãzeira...
Abraço.

zef disse...

É assim, Renda, e, se alguém disser "olha que lorpas", pregar-lhe uma gargalhada.
Beijos

sobrinha/sombrinha disse...

chuva... molhada... fresca... mas arrefece, tal qual o coração amargurado que necessita um pouco de calor para que bata a passo certeiro... um beijo para Belmonte

zef disse...

Olá sobrinha/sombrinha, andamos sempre a tentar a marcha certa. Sobretudo quem ainda tem muitos passos para dar...
Beijos