16.6.08

Cartas da tarde



As coisas parecem quase perfeitas quando sabemos dizê-las.

Mesa virada para nascente, às primeiras aves.
Silenciosos.

Os pássaros dão ao pão a música das flores;
a tília é sol mel sereno.

É bom este silêncio. Senta-te comigo e será sagrado,
e também o pão.

Quase perfeitos?

5 comentários:

Sophiamar disse...

Senti a tua falta. Terias rumado a nascente para não voltar? Pensei! Hoje convidas-me a sentar, o silêncio é sagrado,partilhemos o pão.

Beijinhos


p.s. Vai ao nosso blog colectivo o adlibitum. O link está no meu blog.

Lis disse...

Regressando na companhia de Caeiro?

Que bom vê-lo de novo!

rendadebilros disse...

Então de volta à terra beirã, voltada para a serra, cheia de silêncio de giestas e chuvinha miudinha?...
Um abraço.

Amélia disse...

Feliz com o regresso.E com este post tão à sua maneira.

zef disse...

Sophiamar, voltei, pela partilha, claro!
Beijos

OláLis, Com Caeiro? Talvez, porque

"Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só."

(Resolveu mesmo não crescer?)
Beijos

Sim, Renda, aqui é que estou bem...
: -)

Obrigado, Amélia. Um abraço, à minha maneira.