3.10.08

O Sentido da Simplicidade


Escondo-me atrás de coisas simples, para que me encontres.
Se não me encontrares, encontrarás as coisas,
tocarás o que minha mão já tocou,
os traços juntar-se-ão de nossas mãos, uma na outra.

A lua de agosto brilha na cozinha
como pote estanhado (pela razão já dita),
ilumina a casa vazia e o silêncio ajoelhado,
este silêncio sempre ajoelhado.

Cada palavra é a partida
para um encontro - muita vez anulado -
e só é verdadeira quando, para esse encontro,
ela insiste, a palavra,

(Yannis Ritsos - Trad. de Eugénio de Andrade: Trocar de Rosa)

5 comentários:

Anónimo disse...

O toque das coisas já tocadas não substitue a ausência mas fica bem ver assim dito, em poesia.


Lis

fernanda s.m. disse...

A ausência continuada presença, escondida atrás de coisas simples ??? Ou a memória da não-ausência perpetuada por quem fica ?

Assim será.
Bom domingo,abraço.

zef disse...

Lis, é Eugénio de Andrade a dizer-nos "Só as tuas mãos trazem os frutos", mas também ensina que "a vida é feita de pequenos nadas"...
Bom domingo

zef disse...

Fernanda, "a memória da não-ausência", gosto. Embora, para que seja simples, precise de exercício quotidiano.
Beijos

Anónimo disse...

«Substitue»(?) Leia, «substitui».
Ando cansada mesmo :-).


Sim. Mãos à espera de frutos e vice-versa.

Lis