15.5.12

As giestas

Feliz aquele que administra sabiamente
a tristeza e aprende a reparti-la pelos dias

(Ruy Belo; O Problema da Habitação - Alguns Aspectos)

Examinemo-nos bem, meninos muito sérios
a escandir as palavras que ainda não disseram.

Não é a alegria das giestas que doura as tardes de domingo;
baloiçam sem saber, não dão conta dos dias.

Não é o amarelo do monte a vestir-nos, como quando vagueávamos pelas colinas,
que prepara o crepúsculo. Mas as luzes é bom.

Bendito o fogo amarelo das flores de domingo,
como quando nos despíamos ligeirinhos como o vento.

A quem reparte os olhos pelos campos a vida louvada seja.

2 comentários:

fernanda s. monteiro disse...

E louvada seja a vida de quem sabe repartir a tristeza pelos dias, mansamente. Não é fácil, quando as vagas de tristeza tombam sobre nós à medida que as vamos desfazendo, não acha, Zef?
Um abraço.

(hoje, a Amélia não vai comentar...)

zef disse...

Um abraço, Fernanda. Não será fácil, não; mas há-de ser bom.
(A Amélia há-de vir, tem de vir)