26.2.13

Completas

A meu favor tenho o teu olhar
testemunhando por mim
perante juízes terríveis:
a morte, os amigos, os inimigos.

E aqueles que me assaltam
à noite na solidão do quarto
refugiam-se em fundos sítios dentro de mim
quando de manhã o teu olhar ilumina o quarto.

Protege-me com ele, com o teu olhar,
dos demónios da noite e das aflições do dia,
fala em voz alta, não deixes que adormeça,
afasta de mim o pecado da infelicidade.

Manuel António Pina, O Caminho de Casa (1989)

2 comentários:

fernanda s. monteiro disse...

A infelicidade, não sei se é pecado, mas é pesada...

Esperemos pela manhã que tudo faz luzir, iluminando os contornos.

zef disse...

Sejam sempre assim muitas manhãs!
Boa noite, Fernanda.