15.9.07

A Paz



Ter em minhas mãos
Uns jasmins com sol,
Com o primeiro sol;
Saber que amanhece
Em meu coração;
Ouvir de manhã
Uma única voz...

É tudo o que eu quero.

Regressar sem ódios,
Calmo adormecer,
Sonhar ter nas mãos
Silindras com sol,
Com o último sol;
Dormir escutando
Uma única voz...

É tudo o que quero.

Juan Ramon Jimenez, Trad. de Manuel Bandeira

7 comentários:

rendadebilros disse...

São saudades? ... ou solidão?
Bom fim de semana.

Barão Van Blogh disse...

"Nas gotas de água a espelhar
O formoso corpo na envolvência"

Bom domingo

Meg disse...

Zef,
Mas isto é o querer das almas simples, daqueles que apenas querem ser felizes.
E que deixam tudo o resto para aqueles a quem nada chega, tudo querem, honras e mordomias e salamaleques.
Eu agradeço-te, do coração, os simples jasmins. E fico feliz.

Um abraço

zef disse...

É isso tudo, Renda, e mais a vontade de ouvir as vozes.
Um abraço e bom trabalho.

Óptimo, Barão van blogh, "para quem as simples palavras fazem sentido"; são "as gotas de água" capazes de trazerem as presenças necessárias...

Olá, Meg; também creio que é a moderação do querer que pode criar a abundância(eheheh, pareço o Dalai Lama, mas não faz mal...)
Abraços

Amélia disse...

E há mais a querer? «Baste a quem basta o que lhe basta o bastante de lhe bastar»-dizia o Mestre

Lis disse...

Mas isso era a perfeição...Saber descortinar a voz certa já não era mau.

Que boa tradução!

zef disse...

Está certo, Amélia e Lis:
"Sejamos simples e calmos,
como os regatos e as árvores,
(...)"