21.3.08

Introdução ao Canto

Ergue-te de mim,
substância pura do meu canto.
Luz terrestre, fragrância.
Ergue-te, jasmim.

Ergue-te, e aquece
a cal e a pedra,
as mãos e a alma.
Inunda, reina, amanhece.

Ao menos tu sê ave,
primavera excessiva.
Ergue-te de mim:
canta, delira, arde.

(Eugénio de Andrade, Coração do Dia)

18 comentários:

Sophiamar disse...

Amigo, a poesia é a seiva do meu viver. Eugénio de Andrade é vida, é amor, é paixão e é saudade.

"... canta, delira, arde."

Beijinhos

Páscoa Feliz!

soledade disse...

Aplaudo este canto de ascensão.
E deixo um beijinho de Boa Páscoa.
Lembrar-me-ei de si, lá onde vou :)

Meg disse...

Zef,
Andou aqui pela moirama e não disse nada...
Eu sei como são essas viagens!
Desejo-lhe uma óptima Páscoa com todos os seus.

Um abraço

Amélia disse...

Feliz Páscoa, amigo!Para si e para os seus.
Beijos

zef disse...

Sophiamar, porque a poesia é desejo e esforço de ver claro. Penso que é Eugénio de Andrade que diz mais ou menos assim.
Beijos.

Soledade, assim é...e cumpra o prometido.
Beijinhos

Meg, andei, andei e foi bom
Abraços

Obrigado, Amélia, e cumprimentos a Nausícaa...
Beijos

rendadebilros disse...

Ontem, como vai sendo hábito , fomos até ao Comeal da Torre lá pelas seis e meia... que tínhamos ido ao Porto despedir a Princesa para mais uma temporada...
Boa semana.

Sophiamar disse...

Passei para reler Eugénio e deixar beijinhos.

alecerosana disse...

Deixo um abraço.

Lis disse...

A Primavera que não chega, que se esconde, num canto triste.

zef disse...

Renda, veio ao nosso povo e não disse nada? Não lhe perdoo...
Ao menos, que a forfoga tenha sido boa!
Um abraço

Beijinhos, Sophiamar.
Venha sempre.

Obrigado, Alece.
Um abraço

Lis, vai chegando. Vou-a notando pelas margaças do quintal e botões rosados da romãzeira...
Abraços

rendadebilros disse...

Não disse nada , porque já não contava ir. Não sabíamos a que horas íamos chegar do Porto... Depois , foi nós a chegarmos ao Colmeal e a princesa a Barcelona... o mundo está mesmo pequenito!!!
Pois ainda fomos a tempo de estar a uma bela lareira , comer uma belíssima canja e cabrito no forno regado com um bom alentejano, embora eu prefira Douro... Regressámos cedinho a casa.

Sophiamar disse...

Desejo-te um bom fim de semana. Aqui o dia está soalheiro e o mar à vista.

Beijinhossssss

Meg disse...

Zef,
Então não há aí mais nadinha?
Vou passando sempre à espera.
Um abraço.




Ah...se lhe apetecer beber uma aguinha do Bengo já sabe onde a encontra... com sombra e todo.

Mocho-Real disse...

Belo exemplo da poesia de Eugénio de Castro; vigorosa, truculenta até, por vezes, alicerçada na crua realidade das vivências, mas simultaneamente mensageira de esperança e de força interior.

Um abraço pra si.
Jorge P.G.

Tinta Azul disse...

Eu gosto de romãs. Mais ainda quando no singular, ao contrário e sem til. E de vozes com poesia.
:)

zef disse...

Renda, o mundo está mesmo pequenito!
O "nosso povo" tem estes jeitos de tratar as pessoas!
Abraços(para a Princesa também).

Sophiamar, onde já vai o fim de semana!
Olhe, beijos e que o próximo nos seja bom.

Meg, estou como velho teimoso no meio do quintal a ver as ervas a crescer.
Abraços

Jorge, também gosto. Apesar da minha preguiça, venha sempre.
Um abraço.

Eu também, Tinta Azul; faz-nos viver quando a "lua flutua" e quando não flutua...
;)

Anónimo disse...

necessario verificar:)

zef disse...

Assim sendo, verificação feita...
:)