30.4.08

Et un Sourire



La nuit n'est jamais complète
Il y a toujours puisque je le dis
Puisque je l'affirme
Au bout du chagrin une fenêtre ouverte

Une fenêtre éclairée
Il y a toujours un rêve qui veille
Désir à combler faim à satisfaire
Un coeur généreux
Une main tendue une main ouverte
Des yeux attentifs
Une vie la vie à se partager.

(Paul Éluard)

12 comentários:

Amélia disse...

Parfois c'est bien difficile - mais il faut absolument y croire...Pelo sonho é que vamos...

Sophiamar disse...

H� sempre uma janela iluminada, h� sempre um sonho, h� sempre vida.

No dia do trabalhador, venho deixar-te um cravo vermelho, uma papoila e uma espiga de trigo, por ser dia da espiga, e um abra�o apertado de amizade.

Mil beijinhossss

Jorge P.G Sineiro disse...

PAUL ÉLUARD! Pois, com leituras dessas não me admiro que escreva como escreve...

Hoje, 1º de Maio, não trabalho e por isso, não comento, peço desculpa.
Apenas passo para deixar um abraço aos amigos e a todos os trabalhadores.
Bom Dia de Festa! Viva a Liberdade responsável!
SEMPRE!
QUEIRA OU NÃO QUEIRA O PAPÃO!
Jorge P.G.

UM ABRAÇO.

meg disse...

La nuit n'est jamais complète
Il y a toujours puisque je le dis
Puisque je l'affirme
Au bout du chagrin une fenêtre ouverte...
Se já nem janelas há, amigo Zef!
E nos dias de hoje?

Na nossa geração sim, agora...
Une vie la vie à se partager.?????

Devo estar mesmo muito amarga porque não acredito.
Será que há milagres?

Um abraço


Zef já tem o meu novo endereço?
recalcitrantemor,blogspot,com

meg disse...

recalcitrantemor.blogspot.com

zef disse...

Pois claro, Amélia: "Le passé est un oeuf cassé, l'avenir est un oeuf couvé"!

Sophiamar, bem hajas pelas flores.
E é verdade: há sempre janelas iluminadas.
Também fomos aos campos por flores e espigas.
Um abraço

Jorge, também não trabalhei!
Até uma santa preguiça me anda a abençoar...; mas o Primeiro de Maio continua-me "dia santo de guarda".
Um abraço.

Olá, Meg! Eu não me poria tão nocturno. É que há uma coisa que acontece todos os dias: o Sol nasce todos os dias e sabemos sempre por onde vai.
Já conheço o endereço novo. Mas ando a cultivar o gosto de não fazer nada...
Um abraço

soledade disse...

Nada melhor que cultivar o doce fazer nada, Zef :-) Aplaudo! E estico o olhar pela janela porque acredito, como Éluard, que a esperança e a luz têm de se afirmadas. Et, puisqu' on le dit...
Um beijo, bom domingo

rendadebilros disse...

Cruzo com este poema outro de outro Paul: Verlaine! nesta simplicidade, talvez pensada � janela...
Le ciel est par-dessus le toit
Le ciel est, par-dessus le toit,
Si bleu, si calme !
Un arbre, par-dessus le toit,
Berce sa palme.

La cloche, dans le ciel qu'on voit,
Doucement tinte.
Un oiseau sur l'arbre qu'on voit
Chante sa plainte.

Mon Dieu, mon Dieu, la vie est l�
Simple et tranquille.
Cette paisible rumeur-l�
Vient de la ville.

Qu'as-tu fait, � toi que voil�
Pleurant sans cesse,
Dis, qu'as-tu fait, toi que voil�,
De ta jeunesse ?


Abra�o.

meg disse...

Que pena, Zef!!!

Já a minha ausência foi devida a muito trabalho, e uns "peanuts".
Um grande abraço

Sophiamar disse...

Amigo

É bom ter tempo para nada fazer. Aproveita-o. Já deste muito à comunidade.

Vive feliz.

Eu irei aguardando a tua visita.

Um beijinho

Bem hajas!

Anónimo disse...

O Éluard tem razão, nós é que, a maior parte do tempo, temos nevoeiro dentro de nós ou deixamos que ele se instale...

Zef, que tal ir até à Bene sábado, com ou sem nevoeiro?
Beijinhos
ana assunção

zef disse...

Soledade, o fazer nada, para ser doce, dá muito trabalho!
Beijos

Renda, um abraço.
Julgo bem lembrado Verlaine: aqui também há esperança e serenidade, apesar dos obstáculos.

Meg, a minha ausência não é do trabalho. É de vadiagem de que ficamos, muitas vezes, precisados...
Abraços

Olá, Sophiamar!
beijos

Ana, Éluard tem razão; é necessário que tenha e tem.
Quanto a ir à Bene...
Beijos

Bons amigos e amigas têm vindo a este meu quintal.
Ando pouco visitadeiro das suas casas. Peço-lhes desculpa. Não tardarei a voltar a aparecer.
Beijos e abraços a todos.