1.9.08

"das coisas verdejantes" (Com Elytis)

(foto da Ana Assunção - http://anaassuncao.multiply.com/)

"Hei-de fazer-me monge * das coisas verdejantes",
criança que ri depois de lhe soprarem no dedo magoado.

"Humilde servirei * a ordem dos pássaros",
no voo e poiso por o espírito ainda não saber ser puro.

"Pela noite virei * às matinas dos figos",
flores-fruto, água-brilho,
frescura de noites duras, pão d'algumas manhãs.

Hei-de ser,
"Molhado de orvalho",
bolinha de sabão no alguidar da roupa branca
onde se conhece e ganha
a inocência,

"O ciano * o vermelho o roxo"
perdidos no fogo das
"meninas sem mancha".

Ele, o fogo, mais poderoso.
Eu, pouco robusto, a querer as cores das
"coisas verdejantes",

vestimenta simples dos pássaros
louvada seja.

12 comentários:

Amélia disse...

QUE BOM VOLTAR A LER AS SUAS COISAS, TÃO NATURAIS E BELAS- E VISTAS/SENTIDAS DE OLHOS BEM ABERTOS, QUASE, QUASE COMO O PROPÓSITO IMPOSSÍVEL DE MESTRE CAEIRO.E VEM BEM ACOMPANHADO PELA FOTO DA ANA...BEIJOS A AMBOS PELA BEÇLEZA QUE ME TRAZEM.

Amélia disse...

E sim,

LOUVADA SEJA!

soledade disse...

Excelente companhia, Zef, Elytis e a Ana. Gostei do poema, gostei desta tecelagem, "vestimenta simples dos pássaros". Assim seja :)
Beijinho

Anónimo disse...

Também gostei, ali das coisas verdejantes, da criança que ri depois de lhe soprarem no dedo magoado e da ordem dos pássaros...
Serviria humildemente, ah sim!
Beijinhos
ana assunção

rendadebilros disse...

...e caem umas gotas de chuva para que as coisas fiquem ainda mais verdejantes...
Prazer em "lê-lo" e revê-lo por aqui...
Um abraço.

zef disse...

Louvada seja, Amélia!
Também gosto da árvore: poisei lá os olhos.
Beijos

Excelente companhia a sua, Soledade.
Como os pássaros que vêm ver-me todas as manhãs.
Assim é :-)
Beijos

Ana, também eu serviria, pelo verde, pelos figos orvalhados e pelo quentor dos pássaros.
E pela sua árvore também.
Beijos

Renda, muito gosto também por a (re)ver por aqui, apesar da chuva.
Abraços

Sophiamar disse...

Isso é que foram férias, amigo! Mas deixaste-nos uns presentinhos para vir ler e agora este poema a falar de pássaros, árvores, crianças... há lá coisas mais bonitas!

Deixo-te beijinhos

p.s. Passa pelo Alfazema azul. http://alfazzemaazul.blogspot.com/

rendadebilros disse...

A ideia da manta sobre o relógio é muito mais doce!!! ...
Hoje pelas nossas bandas a chuvinha vai mesmo ajudar a renovar os verdes...
Abraço.

Anónimo disse...

OlaZef,

Tenho vindo a miúde, em silêncio.

E a cada leitura surge uma imagem, sempre tranquila...

Como é que faz para escrever assim?

Lis

zef disse...

Foram, Sophiamar. De resto...até gosto de acordar todos os dias em férias, o que também é bonito...
Beijos.

Sim, Renda? - Então, renovemo-nos todos e que se lixe o tempo...
Um abraço

OláLis!
Continue a vir
:)
Não sei responder. O que tento é ver as coisas assim:
"Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol", ainda que, às vezes...
Beijos

Anónimo disse...

Agora vejo que o «miúde» fugiu do «a». Que malandro!

Em tudo há beleza: é uma verdade.

Continuarei.

Até breve.

Lis

zef disse...

Deixe, lá, Lis. O a estava com saudades de quando era preposição aguerrida, que empurrava as coisas para a frente...