16.7.09


Não penses a casa arrumada.
Lembra-te de como ficou quando saíste.
Lençóis engelhados
uma peça de roupa aqui
outra ali.
Sabes quais são.
O sítio, olha,
não te esforces,
foram sempre muitos,

mas
a mesa está posta.
A toalha branca,
talheres do costume
e nos sítios que sabes.

A árvore está ali
e guarda o nome que lhe demos,
o último.

Pensa nisto.
Arrumamos desarrumamos a casa
nascemos outra vez
e acrescentamos um bocadinho o verão.

9 comentários:

Amélia disse...

Pois...muito bom, meu amigo.se calhar qualquer dia vai parar ao meu barco...Beijo

Anónimo disse...

Ponham a mesa para o jantar. Vamos devagarinho mas chegamos a tempo. Até logo. Gab, Marco e M.

recalcitrante exp disse...

Caro Zef,

Há quanto tempo não me cruzava com a palavra "engelhado"!!!
Só tu, para me fazeres parar e pensar nestas frioleiras... hoje que se fala tão mal...
Bonita a tua maneira de dizer os sentimentos...

Estive ausente, meu amigo, mas estou de volta, espero que de vez.

Um bom fim de semana

Um abraço

zef disse...

Obrigado, Amélia.
Beijos

Chegastes. A casa está composta, quase composta.

Meg, boas tardes.
"A vida é feita de nadas",
indo-se com Miguel Torga, com quem se vai bem, muitas vezes.
Um abraço

Anónimo disse...

A casa está composta, a mesa posta e nós sabemo-lo e o verão anda um pouquinho desarrumado mas esforça-se para que ainda lhe chamemos verão. Como a árvore, o verão gosta do nome que lhe demos.
Pensei assim...
Beijos
ana assunção

rendadebilros disse...

Até o Verão, a árvore e a vida parecem novas... ainda bem que nem sempre está tudo muito composto, quereria dizer que a casa e a vida não eram vividas... era um museu...
Abraços.

zef disse...

Ana e Renda, andei a vadiar, a arrumar o verão(desgraçado verão que até deu chuva pelos sítios por onde andei! Mas, por ora, volta a merecer o nome que se lhe dá...).
Beijos.

Anónimo disse...

Com mesa posta, ou não há sempre um bocado de pão e queijo do que não gostas mas que nos proporciona um pouco de companhia. Sentimos a vossa falta.
A mana chata.
Lurdes Fernando

zef disse...

Olá, Lurdes!
Beijinhos